SF *Brazilian* Portuguese Language (and dancing!) Meetups Message Board › The little Brazilian Space

The little Brazilian Space

Rodrigo
user 10094648
San Francisco, CA
Post #: 23
Racionais MC'S

Diário de um Detento

"São Paulo, dia 1º de outubro de 1992, 8h da manhã.
Aqui estou, mais um dia.
Sob o olhar sanguinário do vigia.
Você não sabe como é caminhar com a cabeça na mira de
uma HK.
Metralhadora alemã ou de Israel.
Estraçalha ladrão que nem papel.
Na muralha, em pé, mais um cidadão José.
Servindo o Estado, um PM bom.
Passa fome, metido a Charles Bronson.
Ele sabe o que eu desejo.
Sabe o que eu penso.
O dia tá chuvoso. O clima tá tenso.
Vários tentaram fugir, eu também quero.
Mas de um a cem, a minha chance é zero.
Será que Deus ouviu minha oração?
Será que o juiz aceitou a apelação?
Mando um recado lá pro meu irmão:
Se tiver usando droga, tá ruim na minha mão.
Ele ainda tá com aquela mina.
Pode crer, moleque é gente fina.
Tirei um dia a menos ou um dia a mais, sei lá...
Tanto faz, os dias são iguais.
Acendo um cigarro, e vejo o dia passar.
Mato o tempo pra ele não me matar.
Homem é homem, mulher é mulher.
Estuprador é diferente, né?
Toma soco toda hora, ajoelha e beija os pés,
e sangra até morrer na rua 10.
Cada detento uma mãe, uma crença.
Cada crime uma sentença.
Cada sentença um motivo, uma história de lágrima,
sangue, vidas e glórias, abandono, miséria, ódio,
sofrimento, desprezo, desilusão, ação do tempo.
Misture bem essa química.
Pronto: eis um novo detento
Lamentos no corredor, na cela, no pátio.
Ao redor do campo, em todos os cantos.
Mas eu conheço o sistema, meu irmão, hã...
Aqui não tem santo.
Rátátátá... preciso evitar
que um safado faça minha mãe chorar.
Minha palavra de honra me protege
pra viver no país das calças bege.
Tic, tac, ainda é 9h40.
O relógio da cadeia anda em câmera lenta.
Ratatatá, mais um metrô vai passar.
Com gente de bem, apressada, católica.
Lendo jornal, satisfeita, hipócrita.
Com raiva por dentro, a caminho do Centro.
Olhando pra cá, curiosos, é lógico.
Não, não é não, não é o zoológico
Minha vida não tem tanto valor
quanto seu celular, seu computador.
Hoje, tá difícil, não saiu o sol.
Hoje não tem visita, não tem futebol.
Alguns companheiros têm a mente mais fraca.
Não suportam o tédio, arruma quiaca.
Graças a Deus e à Virgem Maria.
Faltam só um ano, três meses e uns dias.
Tem uma cela lá em cima fechada.
Desde terça-feira ninguém abre pra nada.
Só o cheiro de morte e Pinho Sol.
Um preso se enforcou com o lençol.
Qual que foi? Quem sabe? Não conta.
Ia tirar mais uns seis de ponta a ponta (...)
Nada deixa um homem mais doente
que o abandono dos parentes.
Aí moleque, me diz: então, cê qué o quê?
A vaga tá lá esperando você.
Pega todos seus artigos importados.
Seu currículo no crime e limpa o rabo.
A vida bandida é sem futuro.
Sua cara fica branca desse lado do muro.
Já ouviu falar de Lucífer?
Que veio do Inferno com moral.
Um dia... no Carandiru, não... ele é só mais um.
Comendo rango azedo com pneumonia...
Aqui tem mano de Osasco, do Jardim D'Abril, Parelheiros,
Mogi, Jardim Brasil, Bela Vista, Jardim Angela,
Heliópolis, Itapevi, Paraisópolis.
Ladrão sangue bom tem moral na quebrada.
Mas pro Estado é só um número, mais nada.
Nove pavilhões, sete mil homens.
Que custam trezentos reais por mês, cada.
Na última visita, o neguinho veio aí.
Trouxe umas frutas, Marlboro, Free...
Ligou que um pilantra lá da área voltou.
Com Kadett vermelho, placa de Salvador.
Pagando de gatão, ele xinga, ele abusa
com uma nove milímetros embaixo da blusa.
Brown: "Aí neguinho, vem cá, e os manos onde é que tá?
Lembra desse cururu que tentou me matar?"
Blue: "Aquele puta ganso, pilantra corno manso.
Ficava muito doido e deixava a mina só.
A mina era virgem e ainda era menor.
Agora faz chupeta em troca de pó!"
Brown: "Esses papos me incomoda.
Se eu tô na rua é foda..."
Blue: "É, o mundo roda, ele pode vir pra cá."
Brown: "Não, já, já, meu processo tá aí.
Eu quero mudar, eu quero sair.
Se eu trombo esse fulano, não tem pá, não tem pum.
E eu vou ter que assinar um cento e vinte e um."
Amanheceu com sol, dois de outubro.
Tudo funcionando, limpeza, jumbo.
De madrugada eu senti um calafrio.
Não era do vento, não era do frio.
Acertos de conta tem quase todo dia.
Tem outra logo mais, eu sabia.
Lealdade é o que todo preso tenta.
Conseguir a paz, de forma violenta.
Se um salafrário sacanear alguém,
leva ponto na cara igual Frankestein
Fumaça na janela, tem fogo na cela.
Fudeu, foi além, se pã!, tem refém.
Na maioria, se deixou envolver
por uns cinco ou seis que não têm nada a perder.
Dois ladrões considerados passaram a discutir.
Mas não imaginavam o que estaria por vir.
Traficantes, homicidas, estelionatários.
Uma maioria de moleque primário.
Era a brecha que o sistema queria.
Avise o IML, chegou o grande dia.
Depende do sim ou não de um só homem.
Que prefere ser neutro pelo telefone.
Ratatatá, caviar e champanhe.
Fleury foi almoçar, que se foda a minha mãe!
Cachorros assassinos, gás lacrimogêneo...
quem mata mais ladrão ganha medalha de prêmio!
O ser humano é descartável no Brasil.
Como modess usado ou bombril.
Cadeia? Claro que o sistema não quis.
Esconde o que a novela não diz.
Ratatatá! sangue jorra como água.
Do ouvido, da boca e nariz.
O Senhor é meu pastor...
perdoe o que seu filho fez.
Morreu de bruços no salmo 23,
sem padre, sem repórter.
sem arma, sem socorro.
Vai pegar HIV na boca do cachorro.
Cadáveres no poço, no pátio interno.
Adolf Hitler sorri no inferno!
O Robocop do governo é frio, não sente pena.
Só ódio e ri como a hiena.
Ratatatá, Fleury e sua gangue
vão nadar numa piscina de sangue.
Mas quem vai acreditar no meu depoimento?
Dia 3 de outubro, diário de um detento."



Rodrigo
user 10094648
San Francisco, CA
Post #: 24
O Rappa

Minha alma

A minha alma tá armada e apontada
Para cara do sossego!
(Sêgo! Sêgo! Sêgo! Sêgo!)
Pois paz sem voz, paz sem voz
Não é paz, é medo!
(Medo! Medo! Medo! Medo!)

As vezes eu falo com a vida,
As vezes é ela quem diz:

"Qual a paz que eu não quero conservar,
Prá tentar ser feliz?"

As grades do condomínio
São prá trazer proteção
Mas também trazem a dúvida
Se é você que tá nessa prisão

Me abrace e me dê um beijo,
Faça um filho comigo!
Mas não me deixe sentar na poltrona
No dia de domingo, domingo!

Procurando novas drogas de aluguel
Neste vídeo coagido...
É pela paz que eu não quero seguir admitindo

É pela paz que eu não quero seguir
É pela paz que eu não quero seguir
É pela paz que eu não quero seguir admitindo




Rodrigo
user 10094648
San Francisco, CA
Post #: 25
O Rappa

O que sobrou do Céu

O, la lá, o la lá, ê ah
O, la lá, o la lá, ê ê

O, la lá, o la lá, ê ê ah
O, la lá, o la lá, ê ê

Faltou luz mas era dia, o sol invadiu a sala
Fez da TV um espelho refletindo o que a gente esquecia

Faltou luz mas era dia... di-ia
Faltou luz mas era dia, dia, dia

O som das crianças brincando nas ruas
Como se fosse um quintal
A cerveja gelada na esquina
Como se espantasse o mal

O chá pra curar esta azia
Um bom chá pra curar esta azia
Todas as ciências de baixa tecnologia
Todas as cores escondidas nas nuvens da rotina

Pra gente ver... por entre prédios e nós...
Pra gente ver... o que sobrou do céu... o la lá



Rodrigo
user 10094648
San Francisco, CA
Post #: 26
Racionais MC's

Jesus Chorou

Clara e salgada,
cabe em um olho e pesa uma tonelada,
tem sabor de mar,
pode ser discreta,
inquilina da dor,
morada predileta.,
na calada ela vem,
refém da vingança,
irmã do desespero,
rival da esperança,
pode ser causada por vermes e mundanas
ou pelo espinho da flor,
cruel que vc ama,
amante do drama,
vem pra minha cama,
por querer, sem me perguntar me fez sofrer,
e eu que me julguei forte,
e eu que me senti,
serei um fraco,
quando outras delas vir,
se o barato é louco e o processo é lento,
no momento,
deixa eu caminhar contra o vento,
do que adianta eu ser durão e o coração ser vulnerável,
o vento não, ele é suave, mas é frio e implacável,
(é quente) borrou a letra triste do poeta,
(só) correu no rosto pardo do profeta.
Verme sai da reta,
a lágrima de um homem vai cair,
esse é o seu B.O. pra eternidade,
diz que homem não chora,
ta bom, falou ou vai pra grupo irmão ai
Jesus chorou!

Porra vagabundo óh,
vou te falar,
tô chapando,
eita mundo bom de acabar,
o que fazer quando a fortaleza tremeu
e quase tudo ao seu redor,
melhor, se corrompeu,
(epa peralá, muita calma ladrão,
cadê o espírito imortal do Capão??)
lave o rosto nas águas sagradas da pia,
nada como um dia após o outro dia
que, sou eu seu lado direito,
tá abalado por que veio?
nego, é desse jeito!
Durmo mal, sonho quase a noite inteira,
acordo tenso, tonto e com olheira,
na mente: sensação de mágoa e rancor
uma fita me abalou na noite anterior
-Alô!!
-Ae dorme em doidão, mil fita acontecendo e cê ai..
-Que horas são??
-...Meio dia e vinte ó
a fita é o seguinte ó,
ñ éisqueirando não ó,
fita de mil grau,
ontem eu tava ali de CB, no pião,
com um truta firmezão,
cê tem que conhecer,
se pam se liga ele vai saber derepente,
ele fazia até um Rap num passado recente...
- Uhum.
-...vai vendo a fita,
se naum acredita,
quando tem que se é Jão (hã) pres'tenção,
vai vendo: parei pra fumar um de remédio,
com uns muleque lá e pá, trafica nos prédios,
um que chegou depois, pediu pra dar uns 2,
qual, um patrício ó, novão e os carái,
fumaça vai, fumaça vem ele chapou o côco,
se abriu que nem uma flor, ficou louco,
tava eu mais dois truta e uma mina,
num tempra prata show filmado ouvindo Guina,
hi, o bico se atacou ó, falou uma pá do cê.
- tipo o que?
-Esse Brown aí é cheio de querer ser,
deixa ele moscar e cantar na quebrada,
vamo ver se é isso tudo quando ver as quadrada,
periferia nada, só pensa nele mesmo,
montado no dinheiro e ceis aí no veneno,
e a cara dele truta?
cada um no seu corre,
tudo pelas verde, uns mata, outros morrem,
eu mesmo se eu catar voa numa hora dessa,
vou me destacar do outro lado de pressa,
vou comprar uma house de boy depois alugo,
vão me chamar de senhor...não por vulgo,
mas pra ele só a zona sul que é a pa,
diz que ele tira nós, nossa cara é cobrar,
o que ele quiser nós quer, vem que tem,
porque eu naum pago pau pra ninguém.
E eu?? só registrei né,não era de lá os mano tudo só ouviu,
ninguém falou um A
- Quem tem boca fala o que quer pra ter nome,
pra ganhar atenção das muié e/ou dos homens,
amo minha raça, luto pela cor,
o que quer que eu faça é por nós, por amor,
naum entende o que eu sou, não entende o que eu faço,
não entende a dor e as lágrimas do palhaço,
mundo em decomposição por um triz,
transforma um irmão meu num verme infeliz
e a minha mãe diz:
- Paulo acorda, pensa no futuro que isso é ilusão,
os proprio preto não tá nem ai com isso não,
olha o tanto que eu sofri, que eu sou, o que eu fui,
a inveja mata um, tem muita gente ruim.
-Pô mãe não fala assim que eu nem durmo,
meu amor pela senhora já não cabe em Saturno,
dinheiro é bom, quero sim se essa é a pergunta,
mas a dona Ana fez de mim um homem e não uma puta!
Ei você, seja lá quem for, pra semente eu não vim,
então, sem terror,
inimigo invisível, Judas incolor,
perseguido eu já nasci, demorou,
apenas por 30 moedas o irmão corrompeu,
atire a primeira pedra quem tem rastro meu,
cadê meu sorriso? onde tá? é, quem roubou?
Humanidade é má, e até Jesus Chorou
Lágrimas...Lágrimas...Jesus Chorou

Vermelho e azul, hotel, pisca só no,
cinza escuro do céu.
Chuva cai lá fora e aumenta o ritmo,
sozinho eu sou agora o meu inimigo intimo,
lembranças más vem, pensamentos bons vai,
me ajude,sozinho penso merda pra caráio,
gente que acredito, gosto e admiro,
brigava por justiça e paz levou tiro:
Malcom X,Ghandi, Lennon, Marvin Gaye,
Che Guevara, 2Pac, Bob Marley e
o evangélico Martin Luther King...
Lembrei de um truta meu falar assim:
-Não joga pérolas aos porcos irmão,
joga lavagem eles prefere assim,
se tem de usar piolhagem!
-Cristo que morreu por milhões,
mas só andou com apenas 12 e um fraquejou
periferia: Corpos vazios e sem ética
lotam os pagode rumo à cadeira elétrica
eu sei, você sabe o que é frustação,
máquina de fazer vilão,
eu penso mil fita, vou enlouquecer,
e o piolho diz assim qdo me vê:
-famoso pra karáio,durão, ih truta,
faz seu mundo não Jão,hã, a vida é curta,
só modelo por aí dando boi,
põe elas pra chupar e manda andar depois,
rasgar as madrugadas só de mil e cem,
se sou eu truta, não tem pra ninguém,
Zé Povinho é o Cão, tem esses defeitos,
quê? cê tendo ou não cresce os zóio de qualquer jeito,
cruzar se arrebentar, de repentemente vai,
de ponto quarenta, só querer tá no pente.
-Se só de pensar em matar já matou,
eu prefiro ouvir o pastor:
- Filho meu,não inveje o homem violento e nem siga nenhum dos seus caminhos...
Lágrimas...
Molha a medalha de um vencedor...
Chora agora ri depois, ae, Jesus chorou...
Lágrimas...


Rodrigo
user 10094648
San Francisco, CA
Post #: 27
Racionais MC's

O Homem na Estrada

--------

Vídeo com Sub's em Inglês! - Vídeo with sub's in English!

-------

Um homen na estrada recomeça sua vida.
Sua finalidade: a sua liberdade.
Que foi perdida, subtraída;
e quer provar a si mesmo que realmente mudou, que se recuperou e quer viver em paz, não olhar
para trás, dizer ao crime: nunca mais!
Pois sua infancia não foi um mar de rosas, não.
Na feben, lembranças dolorosas, então. Sim, ganhar dinheiro, ficar rico, enfim.
Muitos morreram sim, sonhando alto assim, me digam quem é feliz, quem não se desespera, vendo
nascer seu filho no berço da miséria.
Um lugar onde só tinham como atração, o bar, e o candomblé pra se tomar a benção.
Esse é o palco da história que por mim será contada.
...um homem na estrada.

Equilibrado num barranco incômodo, mal acabado e sujo, porém, seu único lar, seu bem e seu
refúgio.
Um cheiro horrível de esgoto no quintal, por cima ou por baixo, se chover será fatal.
Um pedaço do inferno, aqui é onde eu estou.
Até o IBGE passou aqui e nunca mais voltou. Numerou os barracos, fez uma pá de perguntas.
Logo depois esqueceram, filhos da puta!
Acharam uma mina morta e estuprada, deviam estar com muita raiva.
"Mano, quanta paulada!".
Estava irreconhecível, o rosto desfigurado.
Deu meia noite e o corpo ainda estava lá, coberto com lençol, ressecado pelo sol, jogado.
O IML estava só dez horas atrasado.
Sim, ganhar dinheiro, ficar rico, enfim, quero que meu filho nem se lembre daqui, tenha uma vida
segura.
Não quero que ele cresça com um "oitão" na cintura e uma "PT" na cabeça.
E o resto da madrugada sem dormir, ele pensa
o que fazer para sair dessa situação.
Desempregado então.
Com má reputação.
Viveu na detenção.
Ninguém confia não.
...e a vida desse homem para sempre foi danificada.
Um homem na estrada...
Um homem na estrada..

Amanhece mais um dia e tudo é exatamente igual.
Calor insuportável, 28 graus.
Faltou água, ja é rotina, monotonia, não tem prazo pra voltar, hã! já fazem cinco dias.
São dez horas, a rua está agitada, uma ambulância foi chamada com extrema urgência.
Loucura, violência exagerada. Estourou a própria mãe, estava embriagado.
Mas bem antes da ressaca ele foi julgado.
Arrastado pela rua o pobre do elemento, o inevitável linchamento, imaginem só!
Ele ficou bem feio, não tiveram dó.
Os ricos fazem campanha contra as drogas e falam sobre o poder destrutivo delas.
Por outro lado promovem e ganham muito dinheiro com o álcool que é vendido na favela.

Empapuçado ele sai, vai dar um rolê.
Não acredita no que vê, não daquela maneira,
crianças, gatos, cachorros disputam palmo a palmo seu café da manhã na lateral da feira,
Molecada sem futuro, eu já consigo ver, só vão na escola pra comer,
Apenas nada mais, como é que vão aprender sem incentivo de alguém, sem orgulho e sem respeito,
sem saúde e sem paz.
Um mano meu tava ganhando um dinheiro,
tinha comprado um carro,
até rolex tinha!
Foi fuzilado a queima roupa no colégio, abastecendo a playboyzada de farinha,
Ficou famoso, virou notícia, rendeu dinheiro aos jornais, hu!, cartaz à policia
Vinte anos de idade, alcançou os primeiros lugares... superstar do notícias populares!
Uma semana depois chegou o crack, gente rica por trás, diretoria.
Aqui, periferia, miséria de sobra.
Um salário por dia garante a mão-de-obra.
A clientela tem grana e compra bem, tudo em casa, costa quente de sócio.
A playboyzada muito louca até os ossos!
vender droga por aqui, grande negócio.
Sim, ganhar dinheiro ficar rico enfim,
Quero um futuro melhor, não quero morrer assim,
num necrotério qualquer, como indigente, sem nome e sem nada,
o homem na estrada.

Assaltos na redondeza levantaram suspeitas,
logo acusaram a favela para variar,
E o boato que corre é que esse homem está, com o seu nome lá na lista dos suspeitos,
pregada na parede do bar.

A noite chega e o clima estranho no ar,
e ele sem desconfiar de nada, vai dormir tranquilamente,
mas na calada caguentaram seus antecedentes,
como se fosse uma doença incurável, no seu braço a tatuagem, DVC, uma passagem , 157 na lei...
No seu lado não tem mais ninguém.

A Justiça Criminal é implacável.
Tiram sua liberdade, família e moral.
Mesmo longe do sistema carcerário, te chamarão para sempre de ex presidiário.
Não confio na polícia, raça do caralho.
Se eles me acham baleado na calçada, chutam minha cara e cospem em mim é..
eu sangraria até a morte...
Já era, um abraço!.
Por isso a minha segurança eu mesmo faço.

É madrugada, parece estar tudo normal.
Mas esse homem desperta, pressentindo o mal, muito cachorro latindo.
Ele acorda ouvindo barulho de carro e passos no quintal.
A vizinhança está calada e insegura, premeditando o final que já conhecem bem.
Na madrugada da favela não existem leis, talvez a lei do silêncio, a lei do cão talvez.
Vão invadir o seu barraco, "é a polícia"!
Vieram pra arregaçar, cheios de ódio e malícia, filhos da puta, comedores de carniça!
Já deram minha sentença e eu nem tava na "treta", não são poucos e já vieram muito loucos.
Matar na crocodilagem, não vão perder viagem, quinze caras lá fora, diversos calibres, e eu apenas
com uma "treze tiros" automática.
Sou eu mesmo e eu, meu deus e o meu orixá.
No primeiro barulho, eu vou atirar.
Se eles me pegam, meu filho fica sem ninguém, e o que eles querem: mais um "pretinho" na febem.
Sim, ganhar dinheiro ficar rico enfim, a gente sonha a vida inteira e só acorda no fim, minha verdade
foi outra, não dá mais tempo pra nada... bang! bang! bang!

Homem mulato aparentando entre vinte e cinco e trinta anos é encontrado morto na estrada do
M'Boi Mirim sem número.
Tudo indica ter sido acerto de contas entre quadrilhas rivais.
Segundo a polícia, a vitíma tinha "vasta ficha criminal."


Rodrigo
user 10094648
San Francisco, CA
Post #: 28
Xis

A Fuga

A fuga cinematográfica é pra quem pode
Estilo holywood na terra do sacode pobre
Nasci com pouca sorte foda-se
Mando aqui com dinheiro droga eu mando aqui
Filma malandro sai do inferno
Em pleno céu azul no mosquito de ferro
Eu quero eu quero outro final
Muda todo roteiro o mocinho vai perde
Pru bandido verdadeiro eu pago
Chama lá Pablo liga us loco
Cinema novo o crime organizado
Estrelando a SWAT e todo FBI
Eu quero o Kojak correndo atrás de mim
Ai no estilo poderoso chefão
Serei o rei latino americano
Comandando o tráfico da nação
Diretamente do morro do juramento
Eu treto eu só lamento se zé mané
De brecha vai cumpri seu papel com tiro na testa
O que não presta me resta sobro pra mim
Não interessa eu vou até o fim
Assim o crime nasceu independente...

O crime é o crime eu não posso errar
Um filme é só um filme então vem me filma
Posso sonha até tentar ser feliz
Ser du bem e não du mal sem desistir
Melhor assim quem dera fosse assim
A vida numa tela de cinema se fosse assim
Meu fim trágico drama urbano du subúrbio
Seria o vencedor o melhor do mundo
Melhor filme de ação melhor diretor
Aqui é ladrão... melhor ator não, não
Corta volta liga faz tudo de novo
A fotografia saca só que muito loco
O esgoto o calor o cheiro podre
O Cristo Redentor lá longe
Eu penso tipo assim um moleque
Descalço de bermuda sem camisa cabelo black
Tipo um soldado na área chapando o coco
Cuma PT na cinta no pé do morro
Eu venho no mosquito bem tranqüilo
Começa uma salva de tiro
O clima é intenso quente...
A subida do morro é diferente

Até as ultimas conseqüências OZ
A vida é uma prisão As cores da violência
O dono da rua ou melhor do morro
Favela cidade proibida que nome eu do? O Predador
Scarface Jogo bruto Febre da selva Sobrevivendo ao jogo
Inimigo publico Barra pesada Perigo para a sociedade
...Ambição em alta voltagem
hã... pra mim tanto faz tanto vai fazê não interessa
coloca tipo assim a fuga mais fudida do planeta terra
A vida mais sofrida a história que ninguém acredita
A traição a dor o amor se liga na fita bandido policia
Palmeiras Corinthians DEUS e diabo Flamengo Vasco
Tem uns baguio que não combina o quê que eu faço?
Essa porra é minha vida de verdade
O sangue não é maquiagem não tem duble
O tombo não faz eco... o som não é estéreo
Esse cenário é muito triste deprimente...

Vem conferi mundão, chega mais pode filma!
Gente de valor mora aqui, esse é o lugar
Pode crê! Diz aí
Essa aqui vai pras favela do Rio, prus morro do Rio
Pras favela de tudo quanto é canto do Brasil
Malandro é e malandro mané é mané
Vo firma pode crê que é
Se liga ai ladrão 4P é o que há
Apelidado Xis Preto Bomba
O crime é o crime eu não posso errar
Um filme é só um filme então vem me filma
José Carlos dos Reis Encina vulgo Escadinha
Iai KL Jay risca us Originais segue a rima


Rodrigo
user 10094648
San Francisco, CA
Post #: 29
Xis

Sonho Meu

Tento acreditar que foi um sonho.
Nossa... Pra explicar ou entender vai ser foda.
Um rolo compressor, como se fosse,
o mais fudido, devastador, impacto fulminante.
Não me restou uma saída ou outra chance, não.
Por um instante pensei que era aquilo e só.
Tristeza de dar dó, desilusão com tudo,
caiu meu mundo eu me senti só o pó.
A gente acredita vai e se dedica mata morre por alguém,
por algo que se tem.
Porém, no escuro pelas costas vem um tiro,
fecham-se as cortinas e você não é mais ninguém.
Ultima cena, ultimo ato, a dor...
Porcos festejam sobre o corpo de um defensor.
Que dedicou... Enfim... O máximo de si,
que então tentou então tentou e se fudeu no fim
Não sou ator isso aqui não é novela
Real realidade eu faço parte dela
Num tou entre um comercial e outro e tal
Passando a rola e pah na pilantra da atriz principal
Eu tou falando de traição de pilantragem
Minha poética versão minha verdade
Mais apurada sincera que Deus me deu
Até parece que foi sonho meu

Sonho meu... Até parece que foi sonho meu
Sonho meu... Como faz falta um abraço seu
Não vejo a hora de isso tudo acabar
Me dá uma chance eu quero acreditar
Que nada dessa porra aconteceu

Seis da manhã
A insônia me pegou me fudeu trouxe a lembrança
Nada de chá nada de café
Eu quero é um gole de amor de esperança
Paz de criança dormindo ligou?
A tática perfeita o respeito o amor...
O coro Oh! oh! A gíria! morô?
A última ponta de luz puxou?
Talvez um dia lá você esteja louco lá
Com o dedo no gatilho suando frio pronto pra atirar
Firmeza seu mano e você firmeza
O plano definido a fita derradeira
Não falo de contrato eu falo de amizade
O fato é o que eu falo e o que eu faço e com cumplicidade
Na malandragem do bem quem liga, ligou
Sou quem rima o terror, tou na paz do senhor
Ei meu mano num atirou, pipocou
Falto disposição na ladeira, me abandonou
Aonde estou? que treta? que fita?
Está é minha vida hehe... cê acredita?
Em um instante tudo se perdeu
Quem é você? me responde.. quem sou eu?
O fim da linha por um erro que se cometeu
Até parece que foi sonho meu...

Sonho meu... Até parece que foi sonho meu
Sonho meu... Como faz falta um abraço seu
Não vejo a hora de isso tudo acabar
Me dá uma chance eu quero acreditar
Que nada dessa porra aconteceu

Fui humilhado, tratado como um nada, um bosta!
Inocente ou culpado.. agora não importa. bosta!
Perdi a vida, fecharam-se as portas. bosta!
Não tive média me expulsaram da escola, bosta!
Minha ferida não cicatriza, é foda!
Tudo o que passei o que sofri.. quem se incomoda?
Como é foda saber que a causa é uma bosta
E a conseqüência na sua cara engatilhada é foda
Passa o dia passa a hora passa o tempo... passa a bola
É foda, minha memória infectada descontrola
Abala o corpo e sobra a alma pra vitória, bosta!
Um pobre dialeto que me sobra, vi violência pura
me tortura, como é foda! sonho um dia ser feliz
Sair da bosta um salve pras cadeia do país
Paz e Glória...

Sonho meu...
Até parece que foi...
Sonho meu...


Rodrigo
user 10094648
San Francisco, CA
Post #: 30
Cidinho e Doca

Rap das Armas

Parapapapapapapapapa
Paparapaparapapara clack bum
Parapapapapapapapapa

Morro do Dendê é ruim de invadir
Nois, com os Alemão, vamo se diverti
Porque no Dendê eu vo dizer como é que é
Aqui não tem mole nem pra DRE
Pra subir aqui no morro até a BOPE treme
Não tem mole pro exército civil nem pra PM
Eu dou o maior conceito para os amigos meus
Mais Morro Do Dendê Também é terra de Deus

Fé em Deus, DJ
Vamo lá

Parapapapapapapapapa
Parapapapapapapapapa
Paparapaparapapara clack bum
Parapapapapapapapapa

Morro do Dendê é ruim de invadir
Nois, com os alemão, vamo se diverti
Porque no Dendê eu vo dizer como é que é
Aqui não tem mole nem pra DRE
Pra subir aqui no morro até a BOPE treme
Não tem mole pro exército civil nem pra PM
Eu dou o maior conceito para os amigos meus
Mas morro do Dendê também é terra de Deus

Vem um de AR15 e outro de 12 na mão
Vem mais um de pistola e outro com 2oitão
Um vai de URU na frente escotando o camburão
Tem mais dois na retaguarda mas tão de Glock na mão
Amigos que eu não esqueço nem deixo pra depois
Lá vem dois irmãozinho de 762
Dando tiro pro alto só pra fazer teste
De ina-ingratek, pisto-uzi ou de winchester
É que eles são bandido ruim e ninguém trabalha
De AK47 e na outra mão a metralha
Esse rap é maneiro eu digo pra vocês,
Quem é aqueles cara de M16
A vizinhaça dessa massa já diz que não agüenta
Nas entradas da favela já tem ponto 50
E se tu toma um pá, será que você grita
Seja de ponto 50 ou então de ponto 30
Mas se for Alemão eu não deixo pra amanhã
Acabo com o safado dou-lhe um tiro de pazã
Porque esses Alemão são tudo safado
Vem de garrucha velha dá dois tiro e sai voado
E se não for de revolver eu quebro na porrada
E finalizo o rap detonando de granada

Parapapapapapapapapa, valeu
Paparapaparapapara clack bum

Vem um de AR15 e outro de 12 na mão
Vem mais um de pistola e outro com 2oitão
Um de URU na frente escotando o camburão
Tem mais dois na retaguarda mas tão de Glock na mão
Amigos que eu não esqueço nem deixo pra depois
Lá vem dois irmãozinho de 762
Dando tiro pro alto só pra fazer teste
De ina-ingratek, pisto uzi ou de winchester
A vizinhaça dessa massa já diz que não agüenta
Nas entradas da favela já tem ponto 50
E se tu toma um pá será que você grita
Seja de ponto 50 ou então de ponto 30
Esse rap é maneiro eu digo pra vocês
Quem é aqueles cara de M16
Mas se for Alemão eu não deixo pra amanhã
Acabo com o safado dou-lhe um tiro de pazã
Porque esses Alemão são tudo safado
Vem de garrucha velha dá dois tiro e sai voado
E se não for de revolver eu quebro na porrada
E finalizo o rap detonando de granada

Parapapapapapapapapa
Paparapaparapapara clack bum
Parapapapapapapapapa


Rodrigo
user 10094648
San Francisco, CA
Post #: 31
Ndee Naldinho

O quinto vigia

Dez horas da noite vou sair fora...
Amanhã não demora
É o sistema que eu gosto eu tô em cima
Com oito mano envolvido e três mina
A firma trabalha é correria é adianto
E o lugar certo é um banco
Bradesco, HSBC ou Itaú tudo no esquema. Eu vou
quinze pras seis da manhã já tô alerta
As minas do esquema também já tão esperta
Deixaram uma mensagem no meu celular
Tudo em código pra não atrapalhar
Saí de manhã cedo sem chamar atenção
Cheguei no local cumprimentando os irmão
Tomei um café e fumei um pra relaxar
Fiquei com os mano esperando a hora H
Os mano nos colete a prova de bala
Eu meti uma touca preta escondendo a cara
Saimos da sul em direção à Zona Norte
direto pra Guilherme Cotching.
A cada avenida um sinal de tortura:
Toda hora vejo várias viaturas
Um GTI azul com cinco mano é suspeito
Assim eu vejo os manos, eu tô no monza preto
Puta que pariu, os homi tão do outro lado
Se vir na nossa agora vai ficar embassado
Cheio de flagrante, armado até os dente
A gente segue em frente
Liguei meu mano que tava do meu lado
Que tava tudo bem, que os homens tinha vazado
Instinto sempre alerta é o certo...
É sempre bom tá esperto
Refrão: prapá pá pá ladrão não pode vacilar
prapá pá´pá pá pá

Paro um pouco penso, reflito
Pressentindo um momento de risco
Mas o medo não me abala, não domina
Mesmo que abale eu tô em cima
O sangue frio de São Paulo não nega
O medo é constante, mas ladrão não se entrega
A vida é loucura,157 consciente
Distribuído em vários pente
Três mina e os mano já vão partir pra dentro...
Só pra filmar o movimento
A abertura do cofre tem horário programado
Mas o gerente vacila e eu tô ligado
Não reage, ninguém é louco vacilou, levou pipoco
Aquela segurança nem vai dar pro cheiro
Vai ficar de joelho
11:15 movimento normal contagem regressiva a hora é essa o mano avisa
11:17 tudo no esquema
A gente entra em cena
Porta automática, detector de metal circuito interno de filmagem, é mal
Ação rápida pro tempo não passar senão a garra pode chegar
REFRÃO
É fogo no pavio os mano invadiu
E o sistema é o Banco do Brasil
Quem der bobeira vai pra casa do caralho
A vigilância de oitão, tem vários
Dentro da agência pânico total
A gente controlando o sistema, normal
Aqui ninguem vai atirar em ninguém
Mas por enquanto todo mundo é refém
Vai quatro mano recolhendo o dinheiro e três mano no pente controlando os cliente
Já tinha desarmado quatro vigia
Tinha um escondido e a gente não sabia
Um cusão passou na frente, olhou pra dentro
Estranhou o movimento
Correu em direção a uma viatura
Vamos sair fora vamo dar fuga
Os malotes no esquema, tudo preparado
Mas o vigia escondido tá armado
A gente na fuga, ele acertou na minhas costas
Não vou resistir, caí
os mano acerto o vigia vamu em frente....
eu ainda to consciente..
Aranha rapido no Gol GTI tá mi tirando daqui...
Mais um minuto e uma pá de viatura tá vindo na seca
na nossa captura
Velocidade alta fuga, correria
Em destino a periferia
Tô chegando na emergência do hospital
Meu estado se agrava
Tô ficando mal
Já é tarde, não vou resistir.
MORRI


Rodrigo
user 10094648
San Francisco, CA
Post #: 32
Zé Ramalho

Chão de Giz

Eu desço dessa solidão
Disparo coisas sobre
Um Chão de Giz
Há meros devaneios tolos
A me torturar
Fotografias recortadas
Em jornais de folhas
Amiúde!
Eu vou te jogar
Num pano de guardar confetes
Eu vou te jogar
Num pano de guardar confetes...

Disparo balas de canhão
É inútil, pois existe
Um grão-vizir
Há tantas violetas velhas
Sem um colibri
Queria usar quem sabe
Uma camisa de força
Ou de vênus
Mas não vou gozar de nós
Apenas um cigarro
Nem vou lhe beijar
Gastando assim o meu batom...

Agora pego
Um caminhão na lona
Vou a nocaute outra vez
Prá sempre fui acorrentado
No seu calcanhar
Meus vinte anos de "boy"
That's over, baby!
Freud explica...

Não vou me sujar
Fumando apenas um cigarro
Nem vou lhe beijar
Gastando assim o meu batom
Quanto ao pano dos confetes
Já passou meu carnaval
E isso explica porque o sexo
É assunto popular...

No mais estou indo embora!
No mais estou indo embora!
No mais estou indo embora!
No mais!...



Powered by mvnForum

Our Sponsors

People in this
Meetup are also in:

Sign up

Meetup members, Log in

By clicking "Sign up" or "Sign up using Facebook", you confirm that you accept our Terms of Service & Privacy Policy